Uma Mesa

Ela vem, me olha com olhar de quem
Não tem nada a ver comigo ou com ninguém
Devagar caminha levando sua taça
Senta do outro lado a me olhar com graça

Sob as velas ela sempre me seduz
Como fosse seu desejo fazer jus
À tal fama de que mesmo sendo bela
Não se entrega nunca, nega tudo nela

Quem me dera possuir seu corpo um dia
Ela me sorri e sempre diz que não
E lembrar o tanto que se aborrecia
Pelo atrevimento de tocar sua mão

Que será que passa na sua cabeça
Por que nunca aceita se entregar a mim
Entre nós dois sempre se estende uma mesa
Mas que mais parece um muro de Berlim

-- Cárlisson Galdino

Avalie: 
No votes yet

Comentar