A Ilha de Java

Ela abandona o bar e logo some
Por entre ruas sem cor e sem nome
Como em outros dias
Às vezes fazia

A noite a esmaga, peso contra o chão
O vento frio lhe aperta o coração
Fria cada esquina
Não mais que sua sina

O templo a chama quase suplicante
A névoa cinza visível, distante
Dividida à face

Quase zumbi, chega ao templo lunar
Quase reclama não se libertar
Se ao menos tentasse...

Avalie: 
Average: 4 (1 vote)

Comentar