A Cítara do Bardo

Quando tomar a cítara imponente
Tornando suave e doce o brando vento
Quem escutar no mágico momento
Há de parar e ouvir urgentemente

E há de sentir no aroma dos meus versos
A força e fúria e glória de quem luta
Que faz tremer o chão de quem escuta
Dá solidez ao céu de ares dispersos

E faz caírem céus, subir montanha
Cada canção singela desferida
E faz nascer normal e coisa estranha

Dilacerando a própria alma sofrida
É desse jeito que a morte ganha
Quem por ela canta o amor e a vida

Avalie: 
Average: 5 (2 votes)

Comentar