Warning Zone #38 - Forças Armadas

Warning Zone #38 - Forças Armadas

No episódio anterior, Pandora, Darrel e Júnior discutiam no apartamento do casal sobre os perversos vilões que precisavam derrotar. No meio da discussão, veem na TV um noticiário anunciando mais uma ação do Grupo Satã: eles apareceram na solenidade em que o prefeito de Stringtown homenagearia o renomado cientista Dênis Jakobson. Felizmente, nenhum dos dois estava presente no momento.

O que nem o prefeito, nem o cientista, nem o trio de heróis e nem mesmo o Grupo Satã desconfia é que sua base está sendo rastreada e um percevejo digital – como aqueles que marcam “A” e “B” no Google Maps -, está prestes a ser posicionado num mapa de Stringtown, em uma sala de homens uniformizados.

A carta chegou há algumas horas, emitida diretamente pela Presidência da República. Apesar disso, o grupo de sujeitos estranhos já estava sendo invetigado, na medida do possível, pelas Forças Armadas, há alguns dias. Faltava apenas encontrar a base.

Um telefone toca e um homem de terno atende.

Secretária: É o General Abraão, senhor.

Homem de Terno: Ok, transfira.

General Abraão: Confirmamos a localização exata da base de operações do grupo, senhor.

Homem de Terno: Muito bem... Então podem agir. Queremos que eles sejam capturados vivos para que possamos estudá-los. Podemos estar diante de um modelo de supersoldado para o futuro.

General Abraão: Sim, senhor. Talvez seja interessante sim. Porém, devo lembrar que vidas estão em jogo e que talvez não seja viável trazê-los vivos.

Homem de Terno: Quantas vidas vale a segurança de uma nação? Estamos falando de algo maior. Se não forem competentes o suficiente para cumprir com a missão, me digam que eu contacto outra brigada.

General Abraão: Tudo bem, senhor. Nós cuidaremos disso.

O telefone é colocado no gancho e o homem de terno infla o peito se balançando sobre os próprios pés.

Pouco tempo depois a secretária entra na sala.

Secretária: Precisando de alguma coisa, senhor?

Homem de Terno: Sim, quero que fique de olho nas notícias em Stringtown.

Secretária: Ah, a terra do Quarteto Fantástico!

Homem de Terno: Não os chame assim. O Quarteto Fantástico é um grupo de super-heróis da Marvel. Aqueles lá são só um grupo de encrenqueiros que logo chegarão ao fim.

Secretária: Certo, senhor. Então descobrimos onde eles ficam, não é? Isso é muito bom! Vai ser muito bom pra imagem do Governo se eles conseguirem ser neutralizados.

Homem de Terno: Isso é verdade.

Secretária: A Brigada de Operações Especiais vai agir?

Homem de Terno: Hmmm...

Ele se afasta pensativo e se senta novamente em seu birô.

Homem de Terno: O que você sabe sobre a Brigada de Operações Especiais?

Secretária: Ah, senhor, sei muito pouco. Só que ela foi criada pelo decreto 4.289 pelo presidente Lula em 2002.

Homem de Terno: Hmmm...

Secretária: E eles obedecem diretamente ao Comando Militar do Planalto.

Homem de Terno: Hmmm... Err... Hmmm... Interessante, mas acho que não é um caso pra eles não, né? O que eles poderiam fazer?

Secretária: Eles podem obter informações sobre alvos estratégicos, fazendo um trabalho de reconhecimento. Pensei que eles é que tinham localizado a base do Quart... Dos encrenqueiros.

Homem de Terno: Não, errr... Foi o General Abraão quem localizou.

Secretária: Sei...

Homem de Terno: De qualquer forma, eles já estão devidamente localizados, então não teria muito o que eles fazerem agora, não é mesmo?

O homem de terno se estica na cadeira com um sorriso amarelo.

Secretária: Na verdade, a Brigada de Operações Especiais tem batalhões próprios para operações incomuns e de guerra em território especial. Eles têm capacidade de ação cirúrgica como essa que o senhor pretende em Stringtown.

Homem de Terno: Hmmm...

Secretária: Sem contar o Batalhão de Operações Psicológicas, que poderia ser muito útil nesse caso em particular. Pense bem: se esses monstros que apareceram eram humanos e passaram por algum processo que os deixou desse jeito, eles podem já estar em um estado mental alterado. O Batalhão de Operações Psicológicas poderia tentar entrar nos processos e planos do grupo e tentar desarticulá-lo de maneira pacífica. Seriam muito bons se o senhor pretendesse capturá-los com vida. Acho que não é o caso, não é, senhor?

Ele fecha a boca ao se dar conta da cara de espantado que deve estar fazendo e responde àquele sorriso simpático com “Errr... Bom, não sei.”

Secretária: Queria lembrá-lo também que o senhor tem uma entrevista com a TV Cubo daqui a... uma hora e 45 minutos.

Homem de Terno: Mesmo! Já havia me esquecido. Ainda bem que tenho uma secretária tão efeciente quanto você.

Ele se levanta da cadeira e contorna o birô.

Homem de Terno: A propósito, como você, tão jovem e bonita, sabe tanta coisa sobre as Operações Especiais?

Secretária: Ah, meu marido serve no primeiro Batalhão de Ações de Comando desde sua fundação, faz parte dessa Brigada que estávamos falando.

Ela responde com um sorriso e caminha em direção à porta. Então se vira para o homem de terno mais uma vez antes de sair da sala.

Secretária: Se o senhor precisar de mais alguma coisa, estou aqui na recepção.

Homem de Terno: Não, errr... Obrigado!

Derrotado, o homem de terno contorna lentamente o birô e se espalha na cadeira giratória. Então põe as mãos na cabeça e começa a chorar baixinho.

Homem de Terno: Por que fui aceitar isso? Eu disse ao partido que esse ministério não era pra mim... Por que, meu Deus?

P. S.: Publicado inicialmente na Revista Espírito Livre.

Avalie: 
No votes yet

Comentar