Warning Zone #27 - Dentro do Container

No episódio anterior, Pandora lamenta a perda de Darrel. Chora e termina decidindo que enfrentará Oliver sozinha, que será forte. Ao chegar no container que fôra arremessado por Oliver contra Darrel ela termina entrando e encontrando o corpo do namorado dentro do container, em cima de caixas.

Pandora: Darrel!

Darrel: Pandora...

Darrel se levanta e bate a cabeça no teto do container.

Pandora: Cuidado!

Darrel: Ai... Estou vendo tudo escuro... Onde você está? Onde é que a gente está? Não enxergo nada...

Pandora: Ah é. A gente tá numa caixa dessas que o Oliver queria levar, ó!

Dos olhos de Pandora aquela luz fraca volta a iluminar o local. Darrel, ainda deitado e com a mão na cabeça, vira lentamente o pescoço para ver o ambiente. São caixas grandes empilhadas. As de cima terminaram “entrando” nas de baixo, com o impacto.

Darrel: Essa doeu...

Pandora: E você me dando susto... Como está?

Darrel: Acho que bem, só um pouco tonto e enjoado, como se tivesse de ressaca. E o que aconteceu com Oliver?

Pandora: Fugiu, né Bem?

Darrel: E você deixou...

Pandora: É lógico! Acha que eu sou quem? O Besouro? Quase que eles me pegam... Tá vendo? Tá mais preocupado com aquele povo lá do que comigo...

Darrel: Desculpa.

Pandora: Também perdemos a Choquita. O Oliver está louco! E você some e eu achando que você tinha morrido! Faz ideia do que sofri desde aquela luta, carinha?

Darrel: Fiquei aqui muito tempo?

Pandora: Umas quatro horas pelo menos.

Darrel: Nossa... Então já é noite lá fora...

Pandora: Já! Você está me ouvindo, por acaso?

Darrel: Estou. Desculpa...

Pandora: Eu me descabelando e você só tava é tirando um cochilo.

Darrel: Desculpa...

Pandora: Falar em descabelar, que droga! Terminei nem ajeitando o cabelo direito no salão. Que droga! E você nem se importa comigo!

Darrel: Claro que me importo, meu bem. Desculpa?

Pandora: Tá...

Darrel se apoia para descer. Está tudo escuro novamente. Ao apoiar a mão em uma das caixas, termina perdendo o equilíbrio. Pandora imediatamente reacende os olhos.

Pandora: Você está bem?

Darrel: Estou... Uma caixa furou..

Pandora: Mas, Darrel... Sabe que você tem razão?

Darrel: Em quê?

Pandora: Nunca que pensei que o Oliver seria capaz de matar alguém. Eles estão mesmo sem controle! Ó pra isso! Jogar uma caixona pesada dessas numa pessoa! Tou bestinha até agora!

Darrel: É, temos que pará-los.

Pandora: Hoje eu me convenci, não duvido mais não de você. Temos que parar aquele povo! Se não for a gente, quem vai?

Darrel: Acho que agora você entendeu.

Ele tatei a caixa novamente e aproveita o rasgão por onde sua mão escorregou há pouco e coloca a mão dentro.

Darrel: Espera um pouco...

Pandora: Que foi, Bem?

Darrel: A caixa... Toquei em algo familiar... Você pode clarear aqui um pouquinho, amor?

Pandora: Tá...

Darrel: Como eu pensei. Parece uma moto! Deixa puxar um pouco a caixa... Parece uma moto de corrida.

Pandora: De corrida?

Darrel: Killacycle...?

P. S.: Publicado inicialmente na Revista Espírito Livre.

Avalie: 
No votes yet

Comentar