Warning Zone #11 - Planos de Mudança

No episódio anterior, Darrel deixa Pandora em um terreno deserto (ou quase), para que ela possa tentar utilizar mais uma vez o poder recém-descoberto, bem como executar uma série de testes para descobrir o que pode ser feito com ele. Após deixar com a namorada instruções de como proceder com os testes, Darrel parte em busca de armamentos.

No terreno, com algumas marcas escuras no chão em alguns pontos, Pandora abre os olhos. Por eles se vê fios de eletricidade. Ela estende a mão e afasta os dedos para ver a eletricidade saltando entre eles.

Darrel: Parabéns! Você se saiu muito bem, Pandora!

De repente os olhos de Pandora voltam ao normal e toda a eletricidade some. Ela se vira e vê Darrel a uns oito metros, com um pacote enorme perto.

Pandora: Faz tempo que está aí, Bem? Demorou tanto...

Darrel: Só alguns minutos.

Pandora: Quer ver o que eu descobri?

Darrel: Claro! Me mostre!

Pandora fecha os olhos e os reabre já com eletricidade passeando por eles. Estende a mão direita e um raio ofuscante parte até pouco depois. Um assustador pequeno relâmpago, que logo é atraído para o chão. Após isso, ela coloca as duas mãos para a frente e fios de eletricidade começam a saltar de uma mão para a outra.

Darrel: Isso é incrível! Parece efeito especial de filme de ficção!

Pandora: É, Bem, e eu tou sentindo a eletricidade direitinho, ó! Consigo controlar direitinho quanta eletricidade eu faço! Tou me sentindo uma “mulher bateria”!

Darrel: Ótimo! Sabe que isso me deu uma ideia?

Pandora: Ei, o que trouxe? Trouxe uma lembrancinha pra mim, meu dengo? Sua Pandorinha merece, não é?

Darrel: Coletes, spray de pimenta, martelo...

Pandora: Aff! E a gente tá indo pra onde? Pra guerra é?

Darrel: Provavelmente teremos uma guerra sim... E, Pandora? Vamos morar em Jaguarari.

Pandora: Está abilolando?

Darrel: É aqui pertinho e a gente se esconde melhor.

Pandora: Mas lá é um ovo! Quero deixar Stringtown não, Bem!

Darrel: Entenda, meu amor, é mais seguro pra gente.

Pandora: Se fosse pelo menos pra Salvador, eu não dizia nada...

Darrel: …

Pandora: Tá... Então vamos fazer o seguinte! Vamos morar pelo menos em Floatibá? É pertinho daqui também, Darrel, e pelo menos tem gente lá!

Darrel: Eu preferia um lugar mais sossegado.

Pandora: Ir morar numa cidade sem shopping?! Sei nem se tem cabeleireira lá! De jeito nenhum!

Darrel: Está bem, Pandora, você venceu! A gente vai morar em Floatibá...

Pandora: Por que essa ideia agora? De a gente morar em outra cidade?

Darrel: Pandora, vamos começar mesmo uma guerra. O Oliver começou atacando a Milihash e tenho certeza de que ele não vai parar. Logo pessoas vão começar a ser mortas pela loucura dele. Temos que dar um jeito nisso.

Pandora: Nossa, olhando por esse lado, meu Cigano...

Darrel: Não acredito... Você também entrou nessa de nicknames?!

 

Patinhas: Que merda, véi! Pra que serve ter computador e não acertar nem o botão de ligar?

Lá está Patinhas, sozinho na base da Sysatom Technology, cuidando das instalações enquanto o Wgroup...

Patinhas: Agora somos SATAV, ô mané! Viu o episódio 3 não?!

Tá, lá está o Patinhas na SATAV...

Patinhas: Será que eu posso ficar só mesmo aqui?! Tem que vir a peste do narrador me atrapalhar? Além do mais, cê tá vendo! Eu tou conseguindo fazer porcaria nenhuma aqui mesmo.

Verdade... Será que em lojas de informática você não encontra algum equipamento de acessibilidade?

Patinhas: Acessibilidade?! E eu sou aleijado, por acaso?

Não use esses termos... É desrespeito com...

Patinhas: Mas eu não sou e pronto!

Cadê seus dedos?

Patinhas: …

Patinhas: Tá, mas vai embora e me deixa em paz! Você sabe muito bem que não acontece mais nada nesse episódio! É cada uma... Pô!!!

P. S.: Publicado inicialmente na Revista Espírito Livre.

Avalie: 
No votes yet

Comentar