MEC decreta: teses vão para o "Domínio Público"

Determinado pelo MEC através da Portaria nº 13, publicada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (segundo o Terra: não verifiquei), teses apresentadas a partir de março passado deverão ter seus textos publicados no portal http://www.dominiopublico.gov.br.

Isso é excelente, pois fortalece a idéia de que o conhecimento tem que estar disponível. A ciência se faz assim mesmo, com compartilhamento e exposição. Com essa iniciativa, quem for fazer um trabalho daqui a, digamos, 1 ano, terá um vastíssimo material de pesquisa e assim trabalhos tendem a tratar de assuntos novos, não repetindo o que já foi dito nos outros 25 estados e no Distrito Federal (ou nos 26 estados, a depender do caso).

Feliz DIM'2006

Desde o Judaísmo a mulher é colocada em segundo plano. Vocês conhecem a lenda de Lilith? O cristianismo diz que Javé criou Adão apenas e só depois foi que criou Eva. Isso é um tanto curioso se lembrarmos que segundo o mesmo cristianismo, Javé havia criado os animais pouco antes, e já havia notado que precisava criar os animais aos casais...

Segundo o Judaísmo, porém, Jeová criou Adão e Lilith da mesma forma que criou todos os animais, aos casais. Lilith queria igualdade com Adão, e este não admitia tal coisa. Lilith fugiu por não aceitar ser submissa e não tinha muita escolha: se não fosse submissa de Adão, seria amaldiçoada. Resultado, Lilith virou um demônio do Judaísmo enquanto Eva nascia a partir de Adão e, portanto, boazinha e submissa...

Este é apenas um dos sinais do que o Feminino sofre nesta cultura patriarcal... Há quase 95 anos 146 mulheres morreram em um Incêndio na fábrica da Triangle Shirtwaist consumidas pelas chamas de um incêndio em ambiente tão negligenciado que é óbvio que ocorreria cedo ou tarde...

Ainda hoje os salários das mulheres são em média bem mais baixo que os dos homens, para uma mesma função.

E ainda há quem reclame de termos um dia no ano para nos forçar a lembrar todas essas injustiças cometidas contra as mulheres. Já são tantos Dias Internacionais da Mulher... Desde 1945, quando a ONU oficializou a data! E as cicatrizes ainda não fecharam. De quantos Oitos de março precisaremos até que as mulheres tenham de fato direitos iguais?

Espero que não muitos. Feliz 8 de Março a todas vocês!

Special: 

Care2

Estou surpreso com a quantidade de serviços que o Care2 oferece.

O Care2 é o site daquelas campanhas "Doe Grátis", onde precisamos apenas clicar para que um patrocinador de banners faça doação.

A novidade (ao menos pra mim) é que eles oferecem e-mail e um extenso programa de rede de contatos e relacionamentos, como uma mistura de Orkut e Multiply. Simplesmente fascinante.

Special: 

Folha: Games tornariam jovens insensíveis à violência

A Folha divulgou um estudo que sugere que indivíduos que jogam muito jogos violentos tendem a ser mais agressivos, além de diminuir sua resposta a imagens agressivas.

Por quê? Bom, a exposição prolongada a certo tipo de situação tende a tornar essa situação mais normal para a pessoa envolvida. Seja um simulador de vôo para futuros pilotos ou um simulador de tiros para futuros homicidas (com um pouco de exagero no termo, claro).

Em resumo, exposição excessiva a jogos violentos pode diminuir seu lado humano... Mas esta é apenas minha conclusão pessoal.

Special: 

Arapiraca+Software Livre

Arapiraca está em projeto de migração para Software Livre! Minha terra natal mandando ver!

Stallman e o termo Propriedade Intelectual

O artigo publicado no site da Free Software Foundation, sob o título “Você disse ‘propriedade intelectual’? Esta é uma miragem sedutora”, vem chamar a atenção para erros conceituais que reduzem minha capacidade de julgamento a respeito de questões ligadas às patentes, copyrights e marcas registradas.

Publicado por André Moraes, do Linux Daily Log.

O termo Propriedade Intelectual não é um termo natural, e sim mais uma ferramenta de confusão movida pelas grandes empresas desejosas de monopólios cada vez mais eficazes...

Veja o artigo original do Stallman aqui e o artigo do André sobre o anterior aqui.

Referendo: Vitória da Publicidade

Mais uma vez, lamentavelmente, vemos uma decisão importante para o futuro do Brasil sendo decidida pela performance de publicitários. Não me incomodaria se o Não ganhasse por argumentos, com as pessoas entendendo realmente o que está acontecendo. O que me incomoda é que decisões importantes caiam na arena do marketing, o que termina fazendo com que o lado mais rico (capaz de contratar um bom marketeiro) vença.

A opção do Sim ou do Não neste referendo, assim como candidatos, não são marcas de sabão em pó. O que está em jogo é o nosso futuro, e eu já cansei de ver como brincam com isso.

No caso específico deste último referendo, o que houve foi que a bancada do Não contratou um grande publicitário (no sentido apelativo da palavra): Chico Santa Rita. Desde o início ele arquitetou as propagandas do Não. Só um detalhe: ele foi o responsável pela publicidade na reta final da campanha de... Fernando Collor.

Falácias e palavras de ordem, com a evocação do medo de os bandidos invadirem nossas casas. Esse pacote foi o que garantiu a vitória. E o que João Moreira Salles havia dito na gênese da campanha acabou se concretizando: "Quem souber lidar com a questão do medo vai ganhar".

Eu fico pensando o quanto a população é fraca em entendimento de discurso (eu me incluo um pouco aí, já que meu estudo nessa área apenas começou). E como seria este referendo se ao invés da briga das propagandas coloridas contra os documentários assustadores tivéssemos tido debates e opiniões de sociólogos e outros estudiosos relevantes...

E assim se encerra esse capítulo da nossa Democracia. O povo é chamado a decidir, mas não acha bom. E pelo Sim ou pelo Não, que vença o mais apelão.

Tagmar - RPG Livre

Tagmar, para quem não sabe, foi o primeiro RPG brasileiro. Não desses RPGs eletrônicos. RPG de mesa e papéis! Ambientado em um mundo de fantasia medieval (ao estilo Tolkien), mas com foco nas regras, como era comum no seu tempo. Ainda hoje tem seus fãs, mesmo quando quase que só se fala de D20...

E o que tem de novo?

Não é bem novo, já que faz mais de um ano, mas eu simplesmente não sabia. :-P Foi iniciado um projeto para atualizar o Tagmar em 09/09/2004. A idéia, que conta com o apoio da equipe original (Tagmar 1), é simples: modificar o mínimo possível das regras apenas para atualizar o sistema e remover pesos, e completar o cenário com informações que não constam no Tagmar 1. Porém o mais legal é como isso tudo está sendo feito: de maneira colaborativa! E será distribuído (na verdade, já está sendo) sob licença Creative Commons - Atribuição-Compartilhamento pela mesma licença-Não comercial.

Banrisul: cansado de andar pra frente

Há alguns dias circulou a entristecedora notícia de uma licitação do Banrisul que, além de ilegal, aparentemente visava a destruir sua maior conquista na área informática: a liberdade e independência tecnológica.

Pioneiro na adoção de Software Livre (conduzida no início desta década), o Banco economizou milhões de reais, e estava até então quase totalmente livre da obrigatoriedade de gastos com renovação de licenças e equipamentos (apenas para suportar novas versões de softwares proprietários): havia ainda algumas máquinas não migradas, por serem muito antigas. A expectativa era que a migração se concluísse quando fossem adquiridas novas máquinas. Mas não foi assim que ocorreu.

Quem acompanha informações da área (Software Livre) sabe bem que a PROCERGS, na gestão anterior, desenvolveu uma ferramenta integrada para trabalhos em grupo: o Direto. Deve-se saber também que esta ferramenta foi liberada como Software Livre. E que uma das primeiras atitudes do novo Governador do RS foi tentar impedir a continuidade do projeto como Software Livre, alegando "evasão de recursos" (??).

Então, hoje temos uma licitação correndo para o Banrisul. E esta pretende adquirir computadores com licenças de MS Windows. Todos eles. Um gasto atualmente não apenas desnecessário (a migração deles para GNU Linux já é um sucesso), mas que também trará outros gastos futuros (novas versões das ferramentas MS, claro, exigirão inve$timento).

E justo hoje, quando Banco do Brasil e Caixa já usam Software Livre, e outros como o HSBC e o Bradesco seguem o mesmo caminho, aquele que foi pioneiro "muda de idéia".

Parece que se cansaram da carreira de sucesso recente do Banrisul. E depois de tantos passos calculados para a frente, querem que o banco dê um passo rápido e cego para trás...

Mais informações a respeito no artigo de Mario Teza:

Páginas