games

GameRankings - notas para games

Game Rankings, o site

Você já quis comprar um jogo e ficou na dúvida se seria realmente bom? Seus problemas sacabaram! Chegou o espetacular GameRankings!

Tá, não chegou agora: o site existe desde 1999, mas só agora o conheci e é uma ideia realmente fenomenal. O Game Rankings coleta avaliações de jogos de diversos sites e faz uma média, com cada jogo recebendo uma nota na forma de porcentagem de aceitação.

Por exemplo, digamos que você tenha um 3DS e esteja na dúvida entre os jogos Mario Kart 7 e Super Mario 3D Land... Olhando lá no GameRankings, o Mario Kart 7 (com 45 artigos) tem 84,96%, enquanto o Super Mario 3D Land (com  53 artigos) tem 90,19%. Resolvida a dúvida!

Aproveitando, deixo aqui duas listas bacanas: os melhores e piores jogos de todos os tempos segundo o Game Rankings.

Melhores Jogos

PosiçãoJogoConsoleFabricanteAno de publicaçãoAnálises% Aceitação
1The Legend of Zelda: Ocarina of TimeNintendo 64Nintendo19982497,58%
2Super Mario GalaxyWiiNintendo20077797,46%
3Super Mario Galaxy 2WiiNintendo20105497,12%
4Grand Theft Auto IVPlaystation 3Rockstar20086197,05%
5SoulcaliburDreamcastNamco19992496,94%
6Uncharted 2: Among ThievesPlaystation 3Naughty Dog20097996,46%
7Metroid PrimeGame CubeRetro Studios/Nintendo20028496,35%
8Tekken 3PlaystationNamco19982296,30%
9The Orange BoxXbox 360Valve/EA Games20075896,26%
10Grand Theft Auto IVXbox 360Rockstar20088496,22%

Piores Jogos

PosiçãoJogoConsoleFabricanteAno de publicaçãoAnálises% Aceitação
-1Charlie's AngelGame CubeNeko/Ubisoft20032124,57%
-2AmyXbox 360VectorCell/Lexis Numerique20122625,81%
-3AmyPlaystation 3Lexis Numerique20122327,84%
-4Rogue WarriorXbox 360Rebellion/Bethesda Softworks20092329,17%
-5Ping PalsNintendo DSWayForward/THQ20042029,18%
-6McFarlane's Evil ProphecyPlaystation 2Konami20042532,95%
-7American McGee Presents Bad Day LAPCEnlight/Aspyr20062233,75%
-8Bomberman: Act ZeroXbox 360Hudson/Konami20064433,97%
-9Bruce Lee: Quest of the DragonXbox 360Ronin/Universal20024035,51%
-10Mobile Suit Gundam: CrossfirePlaystation 3Namco Bandai20063635,68%
Special: 

Superpromoção de jogos usados da eStarland

Um parêntese nas publicações para falar de um bom combo de promoções que a eStarland preparou no fim do ano. São duas que podemos aproveitar e que são cumulativas.

  • Até o dia 9 de novembro 20% de desconto em jogos usados, desde que sejam pelo menos 2 e que totalizem mais de US$ 50. O código promocional é HARVEST;
  • Quando compramos lá para entrega aqui no Brasil, geralmetne o frete de um jogo é de US$ 10, mais US$ 5 para cada jogo adicional. Até o dia 21 de novembro a eStarland está reduzido para US$ 7 para um jogo, mais US$ 3 para cada jogo adicional. Não é preciso código promocional.

Já comprei alguns jogos usados lá e não tive problemas, ao menos até agora. Se você adora games e quer "fazer a feira" aproveite!

A copra pode ser feita usando Paypal (a que eu prefiro) ou com você fornecendo os dados do seu cartão de crédito no site da loja.

Compre na eStarland

Quer algumas sugestões?

E há muito mais lá, inclusive para consoles antigos. A eStarland tem jogos para Wii, Playstation 3, Xbox 360, 3DS, Nintendo DS, Playstation 2, Xbox,  GameCube, Gameboy Advance, Gameboy Color, Gameboy, Playstation, Nintendo 64, Super Nintendo, NES, Dreamcast, Sega Saturn, Mega Drive, Sega CD, Game Gear, Master System, Turbo Grafx, Atari, Lynx, Jaguar, Neo Geo e 3DO!

Special: 

Série de games Naruto: Ultimate Ninja

Quem nunca viu o Naruto? Até quem não curte já sabe que esse nome tem a ver com aquele menino loiro de roupas laranjas e com uma bandana na testa como marca da sua tribo ninja (??).

Apesar de algumas passagens toscas, como um golpe que consiste em uma dedada e o clichê de haver personagens tarados, o anime conta uma história bacana. Há vários anos a Aldeia da Folha foi atacada por uma enorme raposa de nove caldas (o que para nós é estranho, mas certamente tem um grande significado simbólico para os japoneses). O líder da aldeia ninja sacrificou a própria vida para salvar todos do monstro e o monstro foi selado no corpo de um bebê, esse bebê é Naruto.

Pois bem, hoje a série de jogos (e Naruto é tão grande que tem mais de uma franquia em seu nome) Naruto: Ultimate Ninja, que tem seus bons milhões de cópias vendidas pelo mundo, completa nove anos de vida!

Veja uma análise do Naruto Ultimate Ninja Storm, para Playstation 3, feita por Guilherme Gamer. Tô certo!

Special: 

LEGO nos videogames

LEGO Star Wars em ação

Quem não conhece o estilo LEGO de entretenimento? As pecinhas que permitem montar carros, castelos, naves espaciais, navios e o que mais nossa imaginação desejar?

De outro lado temos os videogames tridimensionais. É fácil notar que há alguns jogos que compartilham de uma mesma estética visual. Há jogos "com jeito de Mario", jogos com visual de FPS (mesmo que não sejam FPS, o que quero dizer com estilo é o modo como o 3D se comporta na câmera, aspecto de superfícies, etc) e por aí vai. Bem, e se houvesse um jogo cuja estética fosse totalmente retirada de um "mundo LEGO"? Pois existe! Não apenas um, mas vários! Há 15 anos!

Lançado em 2 de outubro de 1997, o primeiro jogo da franquia LEGO foi LEGO Island, que era um jogo de ação para Windows. De lá para cá, LEGO já teve jogo de construção, xadrez, estratégia, corrida, rítmico (tipo Guitar Hero) e até de futebol. Isso sem contar os de ação e aventura pegando carona em filmes e personagens consagrados. Foi o caso, por exemplo, de Batman, Indiana Jones, Harry Potter e Star Wars.

Pelo menos nesses últimos, a dinâmica é de fases, bem parecida com aqueles jogos de plataforma de pancadaria que eram tão comuns na geração 16 bits (os beat'em up). No caso de LEGO Star Wars, pelo menos, ele permite jogar em modo multiplayer e selecionar outros personagens no decorrer da aventura. Você pode variar entre Han Solo, Princesa Leia, C3PO, R2D2, Darth Vader, soldado clone e diversos outros.

É divertido ver os personagens em versão "boneco LEGO", apesar de os jogos terem tendência a ficar repetitivos. Dois títulos LEGO bastante esperados hoje são LEGO The Lord of the Rings e LEGO City: Undercover. Este útlimo, que será lançado para Wii U, será basicamente uma versão LEGO do estilo do GTA! Veja um trailer!

Special: 

Humble Bundle 6: ajude e se divirta

O sexto Humble Bundle está no ar há alguns dias e encerra sua coleta de doações em 5 dias e meio! A média da última vez que olhei estava um pouco acima dos 6 dólares.

O sistema é que você doa a partir de um dólar e recebe o pacote de seis jogos, incluindo os albuns que compoem a trilha sonora desses jogos. A média é importante por uma razão: se você doar acima da média, você ganha itens adicionais. São cinco jogos bônus para quem doar acima da média. Detalhe que todos os jogos estão disponíveis para Windows, Mac e GNU/Linux (exceto o Vessel, que ainda está sendo portado para o pinguim)!

O que gostaria de destacar desta edição (as anteriores eu não conheci) são os dois que têm relação com RPG.

Torchlight foi lançado inicialmente em 2009 e ganhou o Best Debut Game Award no Game Developers Choice Awards de 2010. Em 2010 ganhou versão para Mac OS; em 2011 para XBox 360; e 2012 foi a vez de aparecer em GNU/Linux, justamente para este Humble Bundle.

Torchlight é um Action RPG estilo Diablo, com três classes de personagem, visual agradável e estilo de organização (ficha de personagem, equipamento, habilidades...) simples, mas bacana. Detalhe para o animal de estimação, que pode levar os itens para vender na cidade enquanto você está dentro da dungeon (isso já acontece em outros jogos, mas não deixa de ser uma coisa útil e interessante).

Já o Wizorb é um dos jogos que você recebe como bônus se fizer uma doação acima da média. O curioso é que se trata de um Arkanoid, mas num contexto de RPG clássico. Você é um mago que se transforma uma barra e uma esfera, tendo que enfrentar desta forma criaturas no cenário. Entre os estágios, há encontros e diálogos no melhor estilo RPG bidimensional. É um jogo que vale nem que seja pela curiosidade.

Os outros jogos são:

  • Rochard - plataforma
  • Shatter - estilo Arcanoid, com supervisual
  • Space Pirates and Zombies - jogo de nave com galáxias geradas aleatoriamente
  • Vessel - plataforma
  • Dustforce (bônus) - plataforma, de uma equipe de faxina
  • Bit.Trip Runner (bônus) - plataforma que usa apenas um botão, provavelmente nasceu pensando em celulares...
  • Gratuitous Space Battle (bônus) - estratégia espacial
  • Jamestown (bônus) - jogo de nave e tiro (aquele com a tela rolando de cima pra baixo), com temática steampunk

Ao doar ao Humble Bundle, você decide a porcentagem que vai para o projeto Humble Bundle, para os desenvolvedores e quanto vai para as duas instituições de caridade ajudadas.

Extreme Tux Racer: esportes radicais para pinguins

Aang do anime Avatar já sabia o quanto pode ser divertido deslizar na neve com um pinguim. Desde 2000 existe o Tux Racer para amantes dessa modalidade esportiva.

O tempo passou e o projeto sumiu, mas deixou um legado. O filho do Tux Racer que é mais fácil de encontrar hoje em dia é o Extreme Tux Racer.

O jogo é escrito em C++ e Tcl, usando OpenGL como biblioteca gráfica, e tem versão para Windows, Mac e GNU/Linux. Foi distribuído junto com o CyanPack 12.2.

Se ainda não tem uma ideia do que eu estou falando, veja o gameplay:

Special: 

Robo Defense: um grande Tower Defense para Android

Robo Defense

Tower Defense é um subgênero dos jogos de estratégia em tempo real (RTS) bastante antigo. O princípio do Tower Defense é simples: você tem um local ou objeto que representa sua vida, representa que você ainda pode jogar. Pense no rei do Xadrez, por exemplo. Existe um campo de batalha onde seu "goal" está e existem inimigos querendo chegar até ele. Você diretamente não pode fazer nada, a não ser recrutar/posicionar/fabricar torres (que nem sempre são exatamente torres) pelo campo de batalha, de modo que elas atrasem, atrapalhem e, por fim, destruam esses inimigos que estão vindo.

Um jogo que se tornou bastante popular alguns anos atrás foi o Plants vs Zombies, que nasceu para computadores e rendeu versões para diversos consoles e portáteis. Um outro jogo bastante interessante é o Robo Defense.

Conheci esse jogo por já vir instalado - em sua versão gratuita - em boa parte dos celulares chineses com Android. O jogo é muito bom e simples.

No Tower Defense, você tem três tipos de torres disponíveis: Gun, Rocket e Slow. A primeira dispara balas, a segunda foguetes e a terceira torna os inimigos mais lentos. Os inimigos são soldados robóticos e veículos bélicos, que cruzam o campo de batalha em direção a uma entrada que você deve proteger a todo custo.

Além das três torres básicas, você tem acesso a recursos como canhão anti-aéreo e torre de fogo, que queima as unidades que caminhem por perto; além de outras torres que podem ser desbloqueadas com pontos ganhos em cada nível.

Pois é, este também é um sistema bacana no jogo: cada inimigo derrotado rende pontos e esses pontos podem ser trocados por melhorias, como pontos de experiência em um RPG. Por exemplo, podemos aumentar o dano da Gun, o alcance da Rocket ou desbloquear coisas como minas e cabines de teleporte.

O jogo também apresenta troféus diversos e, quanto mais troféus você consegue, maior o bônus por inimigo derrotado, fechando o conjunto de características viciantes: o estilo tower defense, o sistema de recompensas e o sistema de troféus. É divertido jogar e testar as melhores estratégias de posicionamento e evolução de torres no "tabuleiro".

Apesar de a versão completa custar por volta de R$ 6 no Google Play, vale a pena! Você pode também testar a versão gratuita que, ao comprar a versão completa, os seus dados são importados sem que você tenha que recomeçar toda a luta por troféus e melhores estatísticas. Para Android.

Special: 

Alone in the Dark - 20 anos no escuro

Jogos de horror são apreciados hoje em dia. Jogos como das franquias Resident Evil, Silent Hill e Fatal Frame. Mas antes mesmo das gerações mais recentes de videogames (mais precisamente, da entrada da Sony com o Playstation), já havia jogo tentando o gênero.

Em 1992 nascia, para MS-DOS, Mac e 3DO, uma franquia inspirada no universo de H. P. Lovecraft, o mestre do horror, criador do mito de Cthulhu. A franquia se chama Alone in the Dark e já passeou ainda por Saturn, Playstation, Windows, Gameboy Color, Dreamcast, Playstation 2, XBox 360, Wii e Playstation 3. É uma longa história.

Lembro que a primeira vez que li a respeito dessa franquia foi há muito tempo, em uma revista de videogames. Juro que lembrava de o jogo ter saído para Super Nintendo. Pelo visto, estava enganado.

Alone in the Dark completa 20 anos de vida este ano e é imperdível para quem curte o gênero. Veja trailer do jogo mais recente da série:

Esse jogo, que volta a se chamar simplesmente Alone in the Dark, está à venda na eStarland em suas versões para PS2 ($13.95), Xbox 360 ($14.95), Wii ($18.50) e PS3 ($19.95, mas em falta). Está bem barato, hein!

Special: 

Ouya: um Videogame Indie do Futuro

Ouya, console e joystick

O mundo está mudando. O que era físico está cada vez mais partindo para "as nuvens". No mundo dos games não é diferente. Até a Nintendo, que antes abominava a ideia, já está trabalhando com DLCs (Downloadable Content) e vendendo via loja virtual os mesmos jogos que podem ser comprados em mídia nas lojas.

Há uma ideia por aí de que no futuro os jogos rodarão em mainframes e nossos videogames, em nossas casas, serão meros "terminais". Nós interagiremos com o console, que mandará os "pulsos do joystick" até os servidores remotos para que o video do jogo seja atualizado na tela. É uma ideia interessante, porém perigosa, como tudo que vai para as nuvens. Qualquer instabilidade na conexão com a internet impediria a jogatina. No fim das contas, essa mudança pode se mostrar inevitável com o tempo, mas há outra mudança mais sutil e interessante para os gamers, que já acontece há anos e às vezes passa despercebida. O modelo "Free to Play".

A ideia já vem sendo utilizada há alguns anos em jogos de redes sociais e em MMORPGs. O princípio é que qualquer um poderá jogar gratuitamente. Você só paga se realmente gostar e quiser um algo mais. Alguns jogos cobram por certos itens especiais a serem usados dentro do jogo, outros pela ativação de novos recursos ou acréscimo de novas fases, outros ainda tornam gratuita apenas uma versão demo, cobrando pela versão completa.

É em torno desse modelo e fundamentado no bem-sucedido Android, que surge um novo projeto de videogame para disputar pela nossa atenção: o Ouya.

Apesar de funcionar com Android, o Ouya  não pretende trabalhar com meros portes de jogos mobile. Ele planeja ir muito mais longe, trazendo jogos ricos em recursos visuais, de alta qualidade. Veja os dados técnicos previstos:

  • Processador Tegra3 quadcore
  • 1GB RAM
  • 8GB de memória interna
  • Conexão HDMI para TV, com suporte a até 1080p HD
  • WiFi 802.11 b/g/n
  • Bluetooth LE 4.0
  • USB 2.0 (uma)
  • Joystick wireless com controles padrão (dois direcionais analógicos, um digita, oito botões de ação e um botão de sistema), uma área sensível a toque
  • Android 4.0
  • Ethernet

É um projeto que realmente promete, mas está um pouco longe de se concretizar. Quer dizer, não muito. Os criadores do Ouya criaram uma campanha no site de financiamento social Kickstarter, objetivando conseguir US$ 950.000,00 em doações. Acontece que o valor foi atingido em questão de horas e eles já ultrapassam a marca dos US$ 5.000.000,00 (isso mesmo: cinco milhões de dólares!).

Como é comum em financiamento social, os patrocinadores recebem recompensa por ajudar. No caso do Ouya, a recompensa pode ser desde a reserva de um nome de login exclusivo até um console Ouya personalizado. As doações ainda podem ser feitas por mais uns dias (até o dia 9 de agosto (ou seria dia 8?) e você ainda pode ajudar (e garantir seu console)!

Ainda não está convencido? Dá uma olhada no video de apresentação do projeto:

Páginas